STJ absolve acusado de tentativa de furto de frasco de perfume


Notícias - 11/10/2021

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) absolveu um homem acusado de tentar furtar um frasco de perfume de R$ 59,90 em Jaú (SP), após ação da Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Ele havia ficado preso por mais de um ano pela tentativa de furto, entre 29 de março de 2019 e 6 de maio de 2020.

O órgão pleiteou a aplicação do princípio da insignificância, o entendimento que afasta a tipificação de crime do ato praticado em casos de menor gravidade.

Inicialmente, o homem foi condenado em primeiro grau a cumprir três anos e quatro meses de prisão em regime fechado. Alegando a insignificância do ato na condição de delito, a defensora pública Thais Guerra Leandro então levou o caso ao TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo).

“Não obstante os argumentos colacionados pelas instâncias ordinárias, levando-se em consideração o valor do bem subtraído, consistente em um frasco de perfume, avaliado em R$ 59,90, em conformidade com a jurisprudência desta Corte de Justiça, de forma excepcional, é possibilitada a aplicação do princípio da insignificância”, afirmou Reis.

O que é o princípio da insignificância?
O princípio da insignificância é o conceito que afasta a existência de crime em casos de menor gravidade.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, por exemplo, “o princípio decorre do entendimento de que o direito penal não deve se preocupar com condutas em que o resultado não é suficientemente grave a ponto de não haver necessidade de punir o agente nem de se recorrer aos meios judiciais, por exemplo, no caso de um leve beliscão, uma palmada, ou furto de pequeno valor”.

Para que seja aplicado, continua o TJ-DFT, deve se verificar o princípio “em cada caso concreto, de acordo com as suas peculiaridades, sendo obrigatória a presença dos referidos requisitos”. Alguns desses requisitos incluem casos que não representem ofensividade (ou violência) à vítima e danos à coletividade, como furtos de objetos de baixo valor.

A utilização do princípio está sedimentada pelo STF desde 2004. Mas, como este princípio não possui uma previsão legal, ou seja, não há na lei um apontamento de que necessariamente deva ser aplicado, ele funciona apenas como uma orientação.

Em boa parte dos casos, a reincidência criminal ou presença de outros processos envolvendo o réu acaba influenciando na não aplicação do princípio da insignificância, que, porém, não possui considerações sobre o acusado ser ou não reincidente.

Em decisão recente sobre um caso de furto de tampas de hidrantes, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), reforçou a avaliação de que a reincidência não deve ser definitiva nesses casos, e absolveu o réu. “Mesma a existência de antecedentes e/ou reincidência, por só si, não afasta a incidência do princípio da insignificância”, escreveu Fachin.

https://t.co/ZGHNXS8kaq?amp=1


facebook icon linkedin icon instagram icon twitter icon google business icon



*RECENTES

Notícias - 18/05/2022
Funcionária com depressão é demitida após postar foto em evento
Uma funcionária de determinada empresa de telemarketing, para se afastar do trabalho, apresentou atestado médico de que estava com depressão. Entretanto, após postar foto em um evento no mesmo período, acabou sendo demitida por justa causa.
[ leia mais ]

Notícias - 16/05/2022
Benefícios da negociação extrajudicial

[ leia mais ]

Notícias - 11/05/2022
Tipos comuns de venda casada
Apesar da venda casada ser uma prática vedada expressamente pelo artigo 39, inciso I do Código de Defesa do Consumidor (CDC), a sua prática é muito comum. Veja a seguir tipos comuns de venda casada:
[ leia mais ]

Notícias - 09/05/2022
Atestado emitido por dentista justifica faltas?
De acordo com o artigo 6º, inciso III da Lei nº 5.081/66, “compete ao cirurgião-dentista atestar, no setor de sua atividade profissional, estados mórbidos e outros, inclusive, para justificação de faltas ao emprego”.
[ leia mais ]

Notícias - 06/05/2022
6 Direitos básicos do consumidor
O artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor (CDC) traz um rol exemplificativo com os direitos básicos do consumidor. São 6 desses direitos:
[ leia mais ]

Notícias - 02/05/2022
Lei de trânsito: novas regras entram em vigor
Desde abril de 2021, houve mudanças no CTB quanto a pontos, validade, cadeirinha e outros. Depois, em outubro, a lei 14.229/21 fixou diversas mudanças no código de trânsito brasileiro que passaram a valer gradativamente. Algumas entraram em vigor quando d
[ leia mais ]

Notícias - 27/04/2022
Precisa de Nota Fiscal para efetuar a troca de um produto?
O Código de Defesa do Consumidor (CDC) não exige que o consumidor apresente nota fiscal para realizar a troca de um produto defeituoso que ainda está na garantia, tendo em vista que a finalidade do referido documento é fiscal.
[ leia mais ]

Notícias - 25/04/2022
É mito ou verdade que o score do Serasa pega todo o histórico financeiro?
De acordo com o órgão de proteção ao crédito, é um MITO. Tendo em vista que, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor, as dívidas prescrevem após 5 anos, sendo esse, inclusive, o prazo para que conste a negativação para a pessoa.
[ leia mais ]

Notícias - 19/04/2022
Posso pedir demissão sem cumprir aviso prévio?
Quando o empregado consegue novo emprego e, por esse motivo, decide pedir demissão, a jurisprudência tem apontado no sentido de que, como a iniciativa do rompimento do vínculo trabalhista foi do empregado, o empregador pode descontar os dias de aviso prév
[ leia mais ]

Notícias - 11/04/2022
Empresário, não cometa esses erros trabalhistas
O descumprimento das normas trabalhistas pode gerar grande prejuízo financeiro. Os principais problemas trabalhistas que você pode evitar na sua empresa são:
[ leia mais ]